FecharX

Minascentro recebe o Festival Internacional de Quadrinhos

Minascentro

Minascentro recebe o Festival Internacional de Quadrinhos

Evento encerrado
  • Gratuito

Data

03/08 até 05/08

Qua, Qui, Sex | 09:00 - 21:00

06/08 até 07/08

Sab, Dom | 10:00 - 21:00


Créditos da imagem: Ricardo Laf
A abertura oficial do FIQ BH 2022 acontece no dia 3 de agosto, quarta, às 9h30, no Minascentro, com a presença dos curadores, quadrinistas, parceiros e autoridades.
A abertura oficial do FIQ BH 2022 acontece no dia 3 de agosto, quarta, às 9h30, no Minascentro, com a presença dos curadores, quadrinistas, parceiros e autoridades.

Entre os dias 3 e 7 de agosto, Belo Horizonte se transforma na capital nacional dos quadrinhos. Isso porque o Minascentro recebe o FIQ BH 2022, evento que tem programação extensa e totalmente gratuita, com atividades para jovens, adultos, crianças e profissionais do setor. Com a temática “Quadrinhos e o mundo do trabalho”, o Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte reúne artistas locais, nacionais e internacionais, que participam de oficinas, exposições, sessões de filmes, mesas de artistas, feira de quadrinhos, debates, sessões de autógrafos, duelos de HQs, rodada de negócios, entre outras.

A abertura oficial do FIQ BH 2022 acontece no dia 3 de agosto, quarta, às 9h30, no Minascentro, com a presença dos curadores, quadrinistas, parceiros e autoridades. Neste ano, 189 mesas irão compor a feira de quadrinhos, com exposição e venda de publicações e produtos de quadrinistas de todo o Brasil. O FIQ BH segue os protocolos sanitários vigentes em Belo Horizonte de combate à covid-19. 

Referência para os quadrinistas de todo o país, o FIQ BH, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Cultura e da Fundação Municipal de Cultura, se notabiliza por compreender as mais diversas etapas da relação entre mercado, público e artistas, estreitando os caminhos tanto para a aproximação de editoras e criadores, assim como o contato entre os produtores de quadrinhos e o consumidor final. 

A Secretária Municipal de Cultura Eliane Parreiras destaca a importância do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte nas políticas públicas desenvolvidas pelo município para o setor: “O FIQ BH transforma Belo Horizonte na capital nacional dos quadrinhos, sendo um ponto de encontro entre público, profissionais e pesquisadores da área, possibilitando a troca de experiências artísticas, formativas e reflexivas sobre a linguagem da arte sequencial.  O FIQ formou e impactou gerações de artistas dos quadrinhos na cidade. A iniciativa reforça a política pública cultural desenvolvida pela Prefeitura pautada pela democratização do acesso à arte e à cultura, com programação diversa e transversal, privilegiando produções artísticas locais, nacionais e internacionais, ocupando a cidade”, afirma.

Luciana Féres, presidente da Fundação Municipal de Cultura, celebra a edição presencial do festival e sua contribuição para o desenvolvimento do setor cultural. “O FIQ BH é de extrema importância para o processo de valorização e crescimento dos quadrinhos no Brasil. Ocupar novamente a cidade com uma programação qualificada, garantindo o acesso democrático à cultura, é um compromisso da Prefeitura, principalmente após um longo período de restrições em função da pandemia que impactaram diretamente o setor cultural”, ressalta.

FIQ BH 2022 em Números 

  • 30 horas de atividades no auditório
  • 25 mesas de debates
  • 2 convidados internacionais
  • 26 convidados nacionais
  • 29 convidados locais
  • 189 mesas de artistas
  • 300 artistas, aproximadamente, na feira
  • 13 editoras na rodada de negócios
  • 138 artistas inscritos para a rodada
  • 30 horas de oficinas básicas
  • 4 oficinas de formação
  • 10 sessões de filmes
  • 2 exposições 
  • 100 escolas, aproximadamente, inscritas para visita
  • 11 estandes

Temática “Quadrinhos e o mundo do trabalho”

Com curadoria da jornalista e quadrinista baiana Amma e do psicólogo mineiro e pesquisador da representação social do feminino em histórias em quadrinhos Lucas Ed, a 11ª edição do FIQ BH apresenta o tema “Quadrinhos e o mundo do trabalho”, que irá abordar a dinâmica da profissionalização de agentes relacionados ao universo dos quadrinhos, frente às crises que o mercado tem enfrentado.

Essas questões se refletem nas mesas-redondas, debates e conversas com convidados de renome nacional e internacional. A proposta é refletir sobre o(s) trabalho(s) envolvido(s) na produção de uma história em quadrinhos (pesquisa, planejamento, entrevistas, execução, divulgação);  as atividades em torno da produção, como o trabalho de tradutores; os quadrinhos que falam sobre trabalhadoras e trabalhadores e suas atividades; e como é ter a essa arte como meio de vida. 

Homenageado traduz espírito da edição

Outro destaque da programação é a presença do artista homenageado, o quadrinista, ilustrador e professor paulistano Marcelo D’Salete. Aos 42 anos de idade e com quase 20 anos de carreira, ele é um dos autores de quadrinhos mais premiados no Brasil, tendo ganhado um dos mais importantes prêmios de quadrinhos do mundo: o Eisner de melhor edição americana de material estrangeiro, em 2018, com a edição norte-americana de “Cumbe”. No mesmo ano, Marcelo D’Salete levou também o Prêmio Jabuti com “Angola Janga”, na categoria Histórias em Quadrinhos.

Suas obras mais aclamadas tratam da história da resistência à escravidão no Brasil pela ótica dos povos negros: “Cumbe” (2014) e “Angola Janga” (2017), ambas publicadas pela editora Veneta. “Angola Janga”, seu quadrinho mais recente, é fruto de uma pesquisa de dez anos sobre Zumbi dos Palmares, Ganga Zumba e o famoso quilombo. Além dos prêmios que conquistou, “Angola Janga” já é considerado pela crítica especializada como um dos mais importantes quadrinhos feitos e publicados no Brasil. 

“Multipremiado no Brasil e no exterior, D'Salete sintetiza muito bem o espírito desta edição. ‘Angola Janga’, sua principal obra até agora, é o resultado imperdível de anos de suor e pesquisa. E mais especial ainda poder homenagear, pela primeira vez, um autor negro de quadrinhos”, celebra Lucas Ed. 

O homenageado estará presente no FIQ BH 2022 com a mesa “Marcelo D'Salete entre faróis, favelas e quilombos”. Uma exposição com trabalhos e destaques de sua carreira também compõem a programação do Festival. Na exposição “Malungo D’Salete: Entre faróis, favelas e quilombos”, o público terá a oportunidade de mergulhar no trabalho do quadrinista por meio de reproduções de páginas, vídeos, quadros, texturas, pinceladas, símbolos e palavras. 

Serviço
11ª edição do Festival Internacional de Quadrinhos de Belo Horizonte - FIQ BH 2022
Data: 3 a 7 de agosto
Local: Minascentro - Rua Guajajaras, 1022
Horário: Quarta-feira a sexta-feira, das 9h às 21h; Sábado e domingo, das 10h às 21h.
Classificação: livre
Para a programação completa, acesse: portalbelohorizonte.com.br/fiq

Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com nossa Política de privacidade e nosso Termo de Uso e, ao continuar navegando, você concorda com essas condições.