FecharX

Sommelière indica 5 vinhos para experimentar no outono

Estação pede rótulos com intensidade aromática mediana, corpo, tanino, álcool e acidez média e que suportam temperatura de serviço intermediária



Créditos da imagem: Celso Doni
Main sommelier wine paula daidone
Paula Daidone foi selecionada entre as jornalistas de vinho mais influentes do País em pesquisa realizada pela Brasil de Vinhos
Redação Sou BH
28/03 às 10:12
Atualizado em 30/03 às 15:38

O Outono é um período de transição entre a época mais quente e a mais fria do ano. Nesta estação, as temperaturas ainda estão mais amenas do que no inverno, porém, mais frias do que no verão. Por isso, segundo a especialista Paula Daidone, Sommelière da Wine, nesta época é melhor optar por vinhos médios, ou seja, com intensidade aromática mediana, corpo, tanino, álcool e acidez média e que suportam temperatura de serviço intermediária, para ajudar a aquecer o corpo, sem excesso. 

É importante lembrar que o vinho também precisa combinar com a temperatura externa para que a experiência seja mais agradável. Os brancos de estrutura média podem ser servidos em temperatura mais alta, em torno de 12º graus, assim, não chegam na taça tão gelados. Os tintos médios têm o paladar mais delicado e, normalmente, sem um ataque tânico muito forte. Procure também por exemplares com teor alcoólico médio, pois o álcool em excesso aumenta a sensação de calor. Os espumantes pelo método tradicional tendem a ter mais corpo e aromas que lembram o “frio”, como nozes, madeira e mel.

Para quem quer aproveitar o Outono, que termina oficialmente no dia 21/06, aqui vão algumas dicas de vinhos e espumantes de Paula Daidone.


Vinhos tintos de corpo médio, com pouca ou nenhuma passagem por madeira, e produzidos a partir das uvas Merlot, Barbera, Cabernet Franc e Carménère, são ótimas opções para a estação. O renomado enólogo Osvaldo Amado fez no Pedro Teixeira Colheita Selecionada Bairrada D.O.C 2018, um blend com amadurecimento de 6 meses em barricas de carvalho e deu ao exemplar boa complexidade. Um delicioso tinto da Bairrada, que vai bem com queijo provolone, macarrão de forno com molho à bolonhesa, polpetone recheado com queijo e batata gratinada.

O Root: 1 Reserva Carménère 2018 é outro exemplar que combina com o Outono. Produzido com uvas cultivadas no chileno Valle de Colchagua, esse tinto traz a Carménère, uma uva tinta de origem francesa, que foi redescoberta no Chile, quando já era considerada praticamente extinta no mundo. Perfeito para ser servido com um penne ao sugo, um frango assado recheado com farofa, lasanha de linguiça calabresa e queijos semiduros.

Brancos encorpados de preferência com passagem breve por madeira ou com bâtonnage e uvas Chardonnay, Antão Vaz, Semillon e Viognier também são indicados para o Outono. Como o Carpineto Dogajolo I.G.T. Toscano Bianco 2019, um vinho italiano que combina com camarões na manteiga, bruschettas variadas, sobrecoxa recheada, peixe frito com batatas, quiche de alho poró, queijos brancos e leves.

Um autêntico rosé de coloração média e vinhos de uvas mais potentes, como Malbec, Cabernet Sauvignon e Syrah, não podem ficar de fora da adega ao longo desta estação. Com um estilo fácil de beber, o Partridge Flying Malbec Rosé 2020 pode ser degustado sozinho ou harmonizado com pratos leves. Um rosé elaborado pela uva emblemática da Argentina e a queridinha pelos brasileiros, a Malbec. Ele harmoniza perfeitamente bem com a culinária japonesa, saladas, moqueca e frutos do mar.

Mas não para por aí. Os espumantes e champagnes também vão super bem com o Outono, principalmente aqueles elaborados por um método tradicional entre 6 e 24 meses de sur lie, como o Champagne Montaudon Brut, que pode acompanhar menus com ostras, salmão defumado, moqueca, pupunha assada, pastel de queijo brie e queijos brancos moles.

Comentários