FecharX

'Lutar, Lutar, Lutar - O Filme do Galo' estreia no Belas Artes

Dirigido por Sérgio Borges e Helvécio Marins, documentário sintetiza a história centenária do Clube Atlético Mineiro, desde sua fundação, em 1908, até os dias atuais



Créditos da imagem: Acervo do jornal Estado de Minas
Main foto 11   atletico x flamengo   1980   reinaldo  acervo jornal estado de minas
A produção revisita o passado do clube, que nasce junto com a fundação da capital mineira, e apresenta uma trajetória de pioneirismo, mas também de resistência
Thiago Alves
11/11 às 10:56
Atualizado em 11/11 às 10:56

Nesta quinta-feira (11), “Lutar, Lutar, Lutar - O Filme do Galo” estreia nacionalmente no Cine Belas Artes, em Belo Horizonte, e em outras 19 salas de Brasília, Rio de Janeiro, São Paulo e interior de Minas, com distribuição da Embaúba Filmes. O documentário, dirigido por Sérgio Borges e Helvécio Marins, sintetiza a história centenária do Clube Atlético Mineiro, desde sua fundação, em 1908, até os dias atuais. A produção revisita o passado do clube, que nasce junto com a fundação da capital mineira, e apresenta uma trajetória de  pioneirismo, mas também de resistência. 

“Logo no início, decidimos que seria um filme universal. Queríamos que ele fosse capaz de tocar pessoas que amam o Galo, que torcem para outro time, ou que detestam futebol, mas gostam de cinema e boas histórias, pois a do Atlético é incrível. Optamos por uma estrutura narrativa bem menos autoral do que a de nossos projetos anteriores. Provavelmente, nunca mais faremos um filme assim. Essa escolha veio para deixar o “Lutar, Lutar, Lutar” bastante acessível e capaz de falar com um público realmente diverso", contextualiza o diretor Helvécio Marins, que possui mais de 60 premiações em sua carreira, como o Interfilm no 68º festival de Veneza, em 2011, por seu primeiro longa, “Girimunho”.

"Não é um filme apenas para quem torce pelo Galo, mas ele traz consigo o ponto de vista e a passionalidade do torcedor'', revela Sérgio Borges, grande vencedor do 43º festival de Brasília (melhor filme, direção, roteiro, montagem e prêmio especial) com seu longa, “O Céu Sobre os Ombros”.

O filme conta uma jornada construída por diversos materiais de arquivo, imagens dos jogos mais marcantes e de entrevistas com jogadores, ex-jogadores, técnicos, jornalistas e, principalmente, torcedores de arquibancada do Clube Atlético Mineiro. A narração é de Carol Leandro, “torcedora comum” integrante da torcida feminina Grupa, que empresta voz para a produção.

O Filme do Galo é uma produção dos diretores do filme com a ESPN e Fred Melo Paiva, que ainda é um dos personagens. As imagens no estádio feitas pela produção priorizam a torcida, captando gestos e emoções das arquibancadas, para além dos gols ou lances dos jogos no campo. Os torcedores entrevistados trazem histórias pitorescas, carregadas de sentimentos, que transmitem empatia, comoção e diversão.

“Lutar, Lutar, Lutar” foi selecionado para o Festival de Roterdã, BAFICI, além do tradicional e conceituado Festival de Vila do Conde. Em novembro, o filme fará a sua estreia na França no Festival des 3 Continents, de Nantes.