FecharX

Pacato, um restaurante à mineira, estreia nesta quinta em BH

Instalado em Lourdes, endereço tem cozinha autoral do chef Caio Soter, com cardápio à la carte e menu degustação



Créditos da imagem: Marina Fernandes
Main pacato prancheta 1
Os snacks trazem a galinha em dois formatos, com destaque para a ostra do frango, que é um corte pequeno e delicado que fica junto à carcaça e tem o sabor da coxa e a textura do peito da ave. O prato é servido dentro de uma redoma e sobre uma concha de molusco, que acomoda um molho de laranja, fígado e jiló. O outro frango dessa etapa é uma asinha desossada e recheada com um socorrat de galinhada
Thiago Alves
30/09 às 17:27
Atualizado em 30/09 às 17:27

Angu, feijoada, galinhada, jiló, milho, pé de porco e quiabo são alguns dos ingredientes e pratos mais presentes na culinária mineira. No restaurante Pacato, que inaugura nesta quinta-feira (30), o chef Caio Soter provoca o paladar do público ao transformar a cozinha de quintal em alta gastronomia contemporânea.

O Pacato é o primeiro restaurante do chef belo-horizontino que começou a carreira na culinária em 2017, quando fundou a Umami Steaks, casa especializada no processo de dry aged, que é a maturação a seco de carnes. De lá para cá, acumulou experiências com chefs renomados, como Felipe Rameh, Fred Trindade, Flávio Trombino e Felipe Galastro, assumiu a chefia do restaurante Alma Chef e participou do programa Mestre do Sabor, da TV Globo.

Desde o ano passado, ele comanda as panelas do restaurante O Jardim, no bairro Santa Lúcia. Agora, dividindo o tempo entre os dois endereços, o chef Caio Soter, que é bastante acelerado, tem como missão proporcionar ao cliente que visitar o Pacato um momento desacelerado, de apreciação calma e "pacata da vida" e de seus prazeres.

De acordo com Soter, a essência do cardápio do Pacato é a tríade do que ele chama de cozinha de quintal: vegetais, porco e frango. O menu é construído com ingredientes sazonais, de alta qualidade e com apoio e valorização da cadeia produtiva artesanal. A cozinha é aberta e um balcão permite que a comida possa ser apreciada juntamente com o ballet da cozinha.

O menu degustação (R$280) tem dez etapas. O couvert é com uma mini ciabatta preparada na casa que chega quentinha. Ela vem acompanhada com uma manteiga de porco, rica em sabor. O nome pode soar estranho, mas a "manteiga" é um preparo feito com a banha de um porco criado livre na Serra da Mantiqueira e que tem em sua alimentação 13 grãos, incluindo semente de chia e variedades de arrozes.



Em seguida é servido o trio milho, feijão e verduras, com apresentação e preparações singulares. O primeiro leva rapa de angu, creme de pipoca e páprica. O segundo é uma telha de feijão branco, vinagrete de fradinho, espuma de tutu e pó de feijoada. O terceiro é um crocante de couve, vinagrete de talos, mousse de taioba e pó de couve. A dica é comer nessa ordem.

Os snacks trazem a galinha em dois formatos, com destaque para a ostra do frango, que é um corte pequeno e delicado que fica junto à carcaça e tem o sabor da coxa e a textura do peito da ave. O prato é servido dentro de uma redoma e sobre uma concha de molusco, que acomoda um molho de laranja, fígado e jiló. O outro frango dessa etapa é uma asinha desossada e recheada com um socorrat de galinhada.

A próxima etapa tem o porco como elemento principal. É servido uma tigela com uma geleia de pé de porco e legumes tostados. Logo após, o garçom despeja uma quantidade de água quente na tigela e orienta o cliente a mexer os ingredientes. Em poucos segundos, a geleia derrete e uma sopa é formada. Após a experiência da sopa é apresentado um jiló, acompanhado de creme de milho e quiabo. Com uma textura mais firme, o jiló tem o seu amargor balanceado com o suco de limão e o mel.

O próximo prato volta para a proteína de frango. Dessa vez é utilizado o peito da ave, corte tradicionalmente seco, mas que na versão do Pacato é suculento. O prato é acompanhado de um purê de cenoura. Em seguida, quem dá as caras é a carne bovina. Uma versão criativa da vaca atolada com folhas de mandioca é servida, acompanhada de manteiga de garrafa, espuma de mandioca e agrião.

Fugindo do óbvio, a parte doce do menu degustação tem uma marmelada de tomate, com sorvete de capim- limão e farofa de pão doce. Em seguida uma torta de milho com queijo canastra e doce de leite fermentado, com pitadas de flor de sal. Para finalizar é servido um trio de queijo do Miguel, bombom de cenoura e broa de fubá com soro de leite.



O restaurante conta com uma carta de vinhos elaborada pelo sommelier Gustavo Giacchero, que também está à frente do serviço de salão. Sommelier desde 2005, embaixador do Vinhos Alentejo 2020 e gerente de alimentos e bebidas do Fasano BH, Gustavo traz rótulos sazonais garimpados das melhores vinícolas do Brasil e do mundo.

Localizado em um quarteirão fechado da rua Rio de Janeiro, entre a avenida do Contorno e a rua Fernandes Tourinho, o restaurante Pacato fica distante de toda agitação do bairro Lourdes.

Serviço
Funcionamento: Quarta – Sábado, das 19h às 23h
Endereço: Rua Rio de Janeiro, n 2735, Bairro Lourdes - CEP 30160-042
Capacidade: 48 lugares
Reservas: https://pacatobh.com.br/