FecharX

Circuito Liberdade é ampliado e abrange novos espaços culturais de Belo Horizonte

Entenda como o Mercado Central e a Praça da Estação vão compor o novo Circuito



Créditos da imagem: Lucia Sebe
Main circuito liberdade   lucia sebe
O Circuito Liberdade foi inaugurado em 2010 e já é reconhecido como um importante corredor de cultura do País
Redação Sou BH
28/02 às 08:14
Atualizado em 28/02 às 08:14

Na última semana, a Secretaria de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais (Secult) publicou uma resolução para que outros equipamentos culturais da cidade, como o Mercado Central e a Praça da Estação, passem a “compor” o Circuito Liberdade, localizado na Praça da Liberdade, na Savassi, e que é composto por 15 instituições, dentre museus, centros de cultura e de formação.

De acordo com o secretário de Estado de Cultura e Turismo de Minas Gerais, Leônidas Oliveira, o ingresso dos novos espaços no Circuito Liberdade fomentará a cultura e o turismo, contribuindo para promover desenvolvimento socioeconômico para os mineiros. “O novo formato do complexo cultural intensifica a transversalidade entre a cultura e o turismo, abrindo espaço para novas ações e parcerias entre poder público e iniciativa privada. O Circuito Liberdade é um dos principais produtos turísticos de Minas e ganha ainda mais relevância a partir de agora”, afirma.

 

Para a gestora do Museu de Artes e Ofícios, Karla Bittar, Minas Gerais e BH só têm a ganhar com a nova configuração do Circuito Liberdade. “Um dos principais pontos é a integração dos equipamentos culturais e artísticos, ampliando o roteiro e agregando mais valor para o visitante. Com a inserção do Sesi – Museu de Artes e Ofícios no Circuito Liberdade, nós esperamos ampliar a visitação, entendendo que, a partir do momento que um local compõe o Circuito, as ações de divulgação funcionam de maneira muito mais assertiva. E para receber esse visitante, esse turista, nós estamos preparando o museu com um olhar voltado à experiência”, argumenta.

 

O Museu de Artes e Ofícios, que tem um acervo de mais de duas mil peças representativas da história do trabalho no Brasil, está localizado na Praça da Estação e dá início a uma das rotas que leva à Praça da Liberdade, saindo da estação Ferroviária Central e passando pela histórica Rua da Bahia.

 

Outro espaço que em breve oficialmente fará parte do Circuito Liberdade é o Mercado Central, ponto de encontro de mineiros e turistas que desejam conhecer e celebrar o melhor da cozinha mineira. Segundo o superintendente Luiz Carlos Braga, é extremamente satisfatório o espaço gastronômico participar do Circuito Liberdade. “O Mercado Central, enquanto grande atrativo turístico da capital mineira, fazendo parte agora do Circuito, será ainda mais divulgado para o Brasil e o mundo. O mercado tem uma estrutura voltada ao turista, inclusive com um posto de atendimento ao visitante. Lá, as pessoas podem conhecer mais sobre a cultura do mercado, da nossa cozinha e de Minas Gerais, ainda mais agora com o lançamento do Plano da Cozinha Mineira e as ações para torná-la patrimônio imaterial do estado”.

 

Adesão


Entre as especificidades para a adesão de novos equipamentos ao complexo cultural, estão a ampliação e a diversificação da programação cultural e do acesso à cultura, a articulação de projetos e ações culturais em rede e a promoção turística do Circuito Liberdade com foco na economia criativa como mecanismo de geração de emprego e renda.

 

Para integrar o Circuito Liberdade, os equipamentos culturais também devem se atentar às especificidades que promovam a transversalidade entre a Cultura e o Turismo. Além de oferecer programações democráticas e que garantam o acesso à arte e à cultura, os requerentes devem apostar em atrações que promovam a aproximação entre as agências e operadoras de turismo receptivo habilitadas no Programa “Minas Recebe”. A Resolução publicada também especifica todo o processo de requerimento para que o espaço passe a integrar o Circuito Liberdade em Belo Horizonte. A adesão ao Circuito Liberdade ou a integração ao Roteiro Turístico Circuito Liberdade não ensejarão repasse financeiro do Estado.

 

A Superintendente de Bibliotecas, Museus, Arquivo Público e Equipamentos Culturais da Secult, Milena Pedrosa, reforça a importância da Resolução para a concretização desse novo formato do Circuito Liberdade. “O documento direciona os interessados em fazer parte do complexo cultural e também do Roteiro Turístico Circuito Liberdade, reafirmando sua importância como aglutinador de espaços de democratização do acesso à arte e produto turístico de destaque no estado”. 

 

Circuito Liberdade


O Circuito Liberdade foi inaugurado em 2010 e já é reconhecido como um importante corredor de cultura do País. Abrigado em uma área histórica de Belo Horizonte (MG), é composto por 15 instituições, dentre museus, centros de cultura e de formação, que mapeiam diferentes aspectos do universo cultural e artístico. Sob a gestão do Instituto Estadual de Patrimônio Histórico e Artístico de Minas Gerais - Iepha/MG, desde abril de 2015, o projeto busca agora uma maior articulação com o espaço urbano e os diversos grupos artísticos e populares, consolidando-se como um braço forte da política pública de Cultura do governo estadual.

O Circuito passa também por um processo de ampliação do seu perímetro de atuação, considerando os eixos da Avenida João Pinheiro e da Rua da Bahia, o que é traduzido em seu novo nome: Circuito Liberdade. Dentro desta perspectiva, o BDMG Cultural e a Academia Mineira de Letras passaram a integrar o complexo, com a composição de uma agenda integrada aos outros espaços já existentes.

Dentre os equipamentos culturais em funcionamento no Circuito, oito são geridos diretamente pelo Governo do Estado e os outros funcionam por meio de parcerias público-privadas ou parcerias com instituições públicas federais. O Iepha pretende ainda aumentar a participação de grupos ligados à cultura popular de diversas regiões do Estado no Circuito Liberdade, com a implementação da Casa do Patrimônio Cultural de Minas Gerais, equipamento que ocupará o edifício da antiga Secretaria de Viação e Obras Públicas, também conhecido como “Prédio Verde”.