FecharX

Capital mineira recebe 17ª edição do fórumdoc.bh

<p>A partir desta quinta-feira (21), o Cine Humberto Mauro, Cine 104 e Campus da UFMG vão apresentar sessões de filmes gratuitas</p>



Créditos da imagem: Rafael Urban/Divulgação
Main forumdoc
Rafael Urban/Divulgação
Redação Sou BH
12/08/14 às 10:37
Atualizado em 01/02/19 às 17:54

Exibir, debater e colocar em evidência produções que abordam as mais diversas perspectivas, sejam elas locais ou estrangeiras. Essa é a ideia do forumdoc.bh, que está de volta à capital mineira a partir desta quinta-feira (21) e fica em cartaz até o dia 1º de dezembro, sempre com sessões gratuitas no Cine Humberto Mauro, Cine 104 e Campus da UFMG.

Mais de 80 filmes serão exibidos, desde produções contemporâneas, presentes nas Mostras Competitivas Nacional e Internacional, a obras fundamentais para o cinema de não-ficção, que compõem as mostras retrospectivas. Nesta edição, as retrospectivas apresentam obras do cineasta lituano, radicado nos EUA, Jonas Mekas, e um conjunto dos filmes do brasileiro Aloysio Raulino, falecido em abril deste ano.

A abertura do festival, que ocorre no Cinema Humberto Mauro, hoje, às 19h, presta tributo a Raulino, e sua trajetória no cinema, exibindo quatro de seus curtas: Lacrimosa (1970), Teremos Infância (1974), Arrasta a Bandeira Colorida (1970) e O Tigre e a Gazela (1976). Na sequência da exibição, o crítico Jean Claude Bernardet conduz sessão comentada dos filmes, que conta ainda com a participação de Gustavo Raulino e Otávio Savietto (filhos do diretor), além de Andréa Scansani (aluna e fotógrafa de diversos filmes de Aloysio Raulino).

Outro ponto de relevo do 17º forumdoc.bh são as estreias que o festival preparou para o público belo-horizontino. Serão exibidos, em primeira mão e com a participação dos realizadores, Já Visto, Jamais Visto, de Andrea Tonacci; Riocorrente, de Paulo Sacramento; Sobre o Abismo, de André Brasil; e filmes de realizadores indígenas da etnia Maxakali, Espíritos Batizam Crianças e Cantos do Putuxop.

Segundo Júnia Torres, que integra a coordenação do forumdoc.bh, além de ser uma referência para o audiovisual no Brasil, esse é o festival de cinema com o  maior número de edições já realizadas em Minas. ?Nossa intenção é sempre exibir um panorama diversificado de filmes, com um viés autoral, e fazer com que o participante reflita e se aprofunde na trajetória de autores essenciais para o cinema. É uma oportunidade para o espectador se aproximar e conhecer diversas linhas de pensamento e conceitos?.

Saiba mais no Sou BH.