FecharX

Com 6,5°C, Belo Horizonte registra dia mais frio do ano nesta sexta

Frente fria estaciona em Belo Horizonte e sensação térmica chega a -8°C



Créditos da imagem: Edesio Ferreira/EM/D.A Press
Main ege27072021ef03
Até então, o dia mais frio havia sido registrado em 20 de julho, quando os termômetros marcaram 7,5°C na estação meteorológica da Pampulha
Thiago Alves
30/07 às 08:14
Atualizado em 03/08 às 07:19

Entre 6h e 7h desta sexta-feira (30), os termômetros da estação meteorológica do Cercadinho, em Belo Horizonte, registraram 6,5ºC, a menor temperatura do ano na capital mineira, de acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet). Até então, o dia mais frio havia sido registrado em 20 de julho, quando os termômetros marcaram 7,5°C na estação meteorológica da Pampulha.

A previsão meteorológica indica que a sexta-feira (30) será de céu claro a parcialmente nublado com a temperatura máxima estimada de 21 °C. A umidade relativa mínima do ar deve alcançar 30%. Segundo o meteorologista Claudemir de Azevedo, do Inmet, para o sábado (31), os termômetros devem registrar entre 8°C e 20°C. Já no domingo a temperatura deve oscilar entre 7ºC e 20°C.

Prefeitura faz plano de contingência para população em situação de rua

A Prefeitura de Belo Horizonte reforçou estratégias de proteção da população em situação de rua, uma das mais afetadas pelas baixas temperaturas. No período crítico, que vai até 5 de agosto, será utilizado um plano de contingência intersetorial, utilizando a estrutura do Centro de Operações (COP) do município.

As equipes do Serviço Especializado de Abordagem Social (SMASAC), Consultório de Rua e BH de Mãos Dadas (SMSA), que atuam nas nove regionais do município, intensificaram a sensibilização e orientações quanto à proteção dos usuários em dias de temperaturas mais baixas, especialmente no período noturno. A Abordagem Social intensifica o foco no encaminhamento para as unidades de acolhimento e a entrega de cobertores também está sendo realizada.

Nas unidades de acolhimento, foi criado um monitoramento especial de ocupação das vagas e, se necessário, será realizada a ampliação emergencial dentro das estruturas já existentes. Caso a ocupação chegue à totalidade, serão utilizadas as estruturas de hospedagens parceiras, preparadas para o acolhimento humanizado desta população. Os serviços municipais de plantão terão acesso às vagas em tempo integral, facilitando o encaminhamento e alocação de indivíduos que busquem o acolhimento. Atualmente, o município conta com 600 vagas diárias de acolhimento na modalidade casa de passagem com oferta de alimentação, higienização, guarda de pertences e pernoite.

Nos serviços de saúde o protocolo especial está ativado. Caso agentes públicos em campo, de qualquer área, percebam que uma pessoa em situação de rua tenha sinais de hipotermia ou agravos, o encaminhamento à rede de saúde deve ser imediato, por meio das Unidades de Pronto Atendimento (UPA), inclusive com acionamento do SAMU. As equipes médicas de regulação e avaliação de risco do SAMU, além das UPAS, estão orientadas e receberam alerta emitido pela Secretaria Municipal de Saúde. As unidades básicas de saúde também estão de prontidão, no caso de atendimentos diurnos, inclusive para acionar, se necessário, acolhimento específico em caso de sintomas gripais ou suspeita de Covid-19.

O Centro de Operações (COP) funcionará em regime de plantão 24 horas, podendo acionar as equipes de atendimento intersetoriais. A sala de controle integrado do COP irá compartilhar o fluxo e orientações com todos os agentes de campo públicos de plantão noturno, inclusive aos finais de semana, de todas as áreas da PBH (incluindo Segurança, BHTRANS, SLU e fiscalização de COVID). A intenção é que qualquer agente público presencie ou identifique uma emergência esteja orientado a solicitar apoio e intervenção imediata.