FecharX

Maju Coutinho fará a abertura do 1º Congresso Nacional de Jornalistas Negras e Negros

Evento é promovido pelo Coletivo Lena Santos, de Minas Gerais, e busca discutir e refletir sobre a participação de profissionais negros no jornalismo brasileiro



Créditos da imagem: Reprodução TV Globo
Main maju coutinho prancheta 1
A construção de toda a programação do Congresso Lena Santos procurou também ter um equilíbrio na questão de gênero. Buscou-se, então, o nivelamento igualitário entre homens e mulheres. Além disso, foi identificado a discussão sobre pessoas trans no jornalismo, que ainda é incipiente, mas o que não impediu a procura por essa representatividade
Redação Sou BH
11/05 às 08:58
Atualizado em 11/05 às 09:02

Mais da metade da população brasileira é negra: 56%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Nas redações, as estatísticas não acompanham essa realidade e não respondem nem por um quarto (23%) dos profissionais da imprensa, de acordo com o Perfil do Jornalismo Brasileiro, um trabalho coletivo da Rede de Estudos sobre Trabalho e Identidade dos Jornalistas (RETIJ), vinculada à Associação Nacional dos Pesquisadores em Jornalismo (SBPJor). Os dados são da última pesquisa, realizada em 2012, que está sendo atualizada em 2021. Outra estatística, ligada ao acesso à educação, pode ajudar a explicar essa baixa presença: entre jovens brancos de 18 e 24 anos, 35,7% cursam ensino superior. Para os negros, essa fatia cai para 18,9%, segundo recorte da Síntese dos Indicadores Sociais (SIS/2020), do IBGE.  Com o objetivo não só de discutir, mas apresentar caminhos para combater essa desproporcionalidade, o Coletivo Lena Santos promoverá, entre os dias 14 e 16 de maio, o 1º Congresso Nacional de Jornalistas Negras e Negros. 

O evento será uma oportunidade para profissionais de comunicação e, principalmente do jornalismo brasileiro, refletirem sobre a presença, participação e desafios dos profissionais negros nas redações espalhadas pelo Brasil. Com a participação de personalidades como Manoel Soares (Rede Globo), Flávia Oliveira (O Globo/CBN/GloboNews), Flavia Lima (atual ombudsman da Folha de S. Paulo) entre vários outros destaques do mercado jornalístico e acadêmico, o congresso foi dividido em nove mesas de debates. Os interessados poderão acompanhar toda a programação pelo Youtube no canal do coletivo e se inscreverem pelo Sympla.

“Os nomes negros no jornalismo brasileiro não deixam dúvida que tivemos participação fundamental na constituição da imprensa brasileira desde os primeiros anos de uma imprensa oficial no Brasil. No entanto, por reveses históricos, anos após anos foi dito que o jornalismo não era o nosso lugar. Nunca, porém, essa negativa foi aceita, a despeito da dificuldade e da falta de espaço, não desistimos de ocupar as redações”, diz Márcia Cruz, jornalista do jornal Estado de Minas e idealizadora do Congresso Lena Santos.

A discussão dentro do Coletivo para promover um debate amplo sobre a negritude no jornalismo partiu após o grupo discutir sobre o número recorde de negros na edição 21 do “Big Brother Brasil”, da TV Globo. A proposta de criação do Congresso foi então apresentada por Márcia, abraçada pelo coletivo e, então, se formou uma comissão para a produção do evento.

De Minas teremos a participação de jornalistas de O Tempo/Rádio Super, Estado de Minas, Rádio Itatiaia, TV Alterosa,  Rede Globo Minas e Rádio UFMG. Da mídia negra, profissionais do Alma Preta, Notícia Preta, Negrê e Geledes! Essa comissão se reúne desde janeiro de 2021 para o planejamento e execução dessa ideia pioneira no jornalismo brasileiro. Participam os profissionais (em ordem alfabética): Bruno Torquato, Etiene Martins, Gabriel Araújo, Márcia Maria Cruz, Milena Geovana, Nelson Nunes, Queila Ariadne, Rafael Francisco, Sandra Flávia e Vinícius Luiz.

A programação

A construção de toda a programação do Congresso Lena Santos procurou também ter um equilíbrio na questão de gênero. Buscou-se, então, o nivelamento igualitário entre homens e mulheres. Além disso, foi identificado a discussão sobre pessoas trans no jornalismo, que ainda é incipiente, mas o que não impediu a procura por essa representatividade. “Também quisemos sair das montanhas de Minas e convidamos colegas de Minas, Rio, São Paulo e Bahia”, ressalta Márcia Cruz.

Confira a agenda completa:

Sexta-feira - 14/05

19h30: Abertura Maju Coutinho (Rede Globo) - boas-vindas

Zora Tikar Santos (Multiartista e pesquisadora de comida afro-mineira) - Conhecendo Lena Santos Márcia Maria Cruz (Estado de Minas/Coletivo Lena Santos/Observatório da Notícia) - Congresso de jornalistas negras e negros.

20h: Conferência Negritude em pauta: onde está o contraditório no jornalismo? Manoel Soares (Rede Globo). Mediação: Márcia Maria Cruz (Estado de Minas / Coletivo Lena Santos/ Observatório da Notícia)

Sábado - 15/05:

10h: Profissionais negros no jornalismo esportivo: presenças e ausências
Com Henrique Frederico (Esporte e Raça), Caio Freitas (Central Multimídia Atlético-MG), Rodrigo Franco (Rede Globo), Ivan Drummond (Estado de Minas) e Eduarda Gonçalves (O Tempo), Júlio Oliveira (SporTV). Mediação: Josias Pereira (Esporte e Raça / Coletivo Lena Santos)

14h: Enegrecendo a tela: profissionais negras e negros no telejornalismo
Com Ethel Corrêa (TV Alterosa), Diego Sarza (CNN Brasil) e Fabiana Almeida (Rede Globo). Mediação: Etiene Martins (Jornal Afronta / Livraria Bantu / Coletivo Lena Santos)

16h: Nossa voz - potências periféricas Com René Silva (Voz das Comunidades) e Valéria Almeida (Rede Globo). Mediação: Tábata Poline (Rolê nas Gerais / Rede Globo / Coletivo Lena Santos)


18h: Empretecer a cobertura econômica - Uma conversa com Flavia Oliveira (Globo / CBN / GloboNews / Angu de Grilo) Mediação: Edilene Lopes (Rádio Itatiaia / Coletivo Lena Santos)


16/05:

10h: Griot – Histórias do mestre ao profissional
Com Gloria Metzker, Arnaldo Viana (Estado de Minas) e Elton Antunes (UFMG). Mediação: Názia Pereira (Coletivo Lena Santos)

14h: Pesquisa sobre raça, gênero e jornalismo (Grupo Coragem – UFMG)
Com Rafael Francisco (Coragem UFMG), Eliane Estevão (Cedecom UFMG/Coletivo Lena Santos) e Tatiana Carvalho Costa (Coragem UFMG/Coletivo Lena Santos. Mediação com Vivian Campos (Coragem UFMG)

16h: Constituir uma mídia negra no Brasil: desafios e conquistas
Com Pedro Borges (Alma Preta), Igor Rocha (Notícia Preta), Larissa Carvalho (Negrê) e Viviane Pistache (Geledés). Mediação: Gabriel Araújo (Coletivo Lena Santos) e Silvana Monteiro (Coletivo Lena Santos)

18h: Encerramento - Atuação antirracista no jornalismo brasileiro: perspectivas e caminhos
Com Flávia Lima (Folha de São Paulo), Arthur Bugre (Rádio UFMG Educativa), Helton Simões Gomes (UOL) e Tiago Rogero (Vidas Negras / Negra Voz). Mediação: Iaçanã Woyames (Coletivo Lena Santos)

Sobre o Coletivo Lena Santos

O Coletivo Lena Santos de jornalistas negras e negros foi criado em 2019 e é composto por profissionais dos mais variados setores e veículos da imprensa. Tudo começou quando duas jornalistas mineiras, ao fazerem uma pesquisa sobre vozes negras em comunicação, identificaram alguns comunicadores atuando em redações e mídias do estado. Ele nasceu de uma ideia que se multiplicou e hoje constrói laços para mudar a realidade da comunicação brasileira, sempre com a ideia da construção de uma comunicação antirracista e representativa. O nome Lena Santos foi escolhido por meio de votação entre os membros. É uma homenagem a umas das primeiras jornalistas negras a ocupar uma bancada de jornal no Brasil, ainda na década de 60, como âncora do Jornal Hoje - Edição Minas

Comentários