FecharX

Mestres-Cervejeiras falam sobre o espaço da mulher no mercado cervejeiro

Especialistas compartilham experiências e visões diante de um mercado tido como masculino



Créditos da imagem: Arquivos Pessoais
Main destaque arquivo pessoal debora lehnen   laura aguiar   rozilene de sa   maria eduarda victorino
Débora Lehnen, mestre-cervejeira e sócia-proprietária da Proa; Laura Aguiar, mestre-cervejeira da Ambev; Rozilene de Sá, mestre-cervejeira da Ambev e Maria Eduarda Victorino, farmacêutica formada em Tecnologia Cervejeira.
Redação
21/06/20 às 18:00
Atualizado em 21/06/20 às 18:00

O papel de desconstrução de alguns estigmas da sociedade e o questionamento da presença feminina em setores tidos como masculinos são exercícios constantes e diários, que vão muito além da simbologia de luta do Dia da Mulher, em 8 de março. No último dia 19, por exemplo, foi comemorado o Dia do (a) Mestre-Cervejeiro (a), profissional responsável pela seleção de ingredientes e criação da receita até o controle de qualidade da bebida, e a data reacende uma discussão importante em relação à presença das mulheres nas cervejarias pelo Brasil.

 

Ainda hoje é comum a associação da bebida ao universo masculino, embora historicamente essa conexão não faça sentido. Registros indicam que a invenção da cerveja é obra de uma mulher e a inserção do lúpulo nas receitas, um marco importante para o aperfeiçoamento da bebida, também. Para Laura Aguiar, mestre-cervejeira da Ambev há dez anos, a quebra de estereótipos e a entrada das mulheres no mercado cervejeiro está caminhando. “Estamos transformando esse mercado e cada mulher, seja a que produz profissionalmente ou por hobby, em um agente fundamental de mudança no caminho que temos pela frente,” conta Laura.

 

A especialista lembra ainda que “o universo cervejeiro é, de forma geral, machista, por isso as cervejarias devem olhar o tema com atenção e investir em frentes de apoio à pluralidade de vozes, além de incentivar movimentos inclusivos, já que a mudança vem de dentro”. Da totalidade de mestres-cervejeiros (as) da Ambev, cerca de 50% são mulheres, um número representativo e que vem sendo ampliado ao longo dos 20 anos da companhia.

 

Rozilene de Sá faz parte dessa porcentagem. Bacharel em Química, ela ressalta que assistiu a um salto no número de mulheres cervejeiras nos últimos anos, não só na Ambev, onde atua desde 2001. A profissional é ainda parte de uma confraria idealizada por um grupo de mulheres para falar sobre empoderamento feminino e, claro, criar cervejas. “Olhando para as consumidoras, precisamos parar de associar certos estilos de cerveja a mulheres, como se só gostássemos de degustar cervejas leves e suaves. A diversidade de estilos e sabores dessa bebida milenar existe para todos gostos e momentos, independentemente do gênero”, afirma.

 

A realidade, que vem alterando um cenário por anos solidificado, reflete também em mulheres que estão à frente de cervejarias de pequeno porte. É o caso da Proa, que tem seu quadro de 8 funcionários preenchido por 50% de mulheres, um número bastante expressivo, segundo a sócia-proprietária Débora Lehnen, que é Mestre e Bacharel em Química e Mestre-Cervejeira. 

 

Além do machismo observado nesse mercado, mulheres negras ainda enfrentam o preconceito racial. “Estou inserida em um meio dominado por homens brancos e, infelizmente, é claro que episódios envolvendo discriminação já aconteceram. Vez ou outra temos nossa capacidade questionada ou ouvimos comentários de conteúdo machista”, revela Maria Eduarda Victorino, farmacêutica formada em Tecnologia Cervejeira e pesquisadora de processos fermentativos do Laboratório de Biotecnologia Microbiana (LABIM-UFRJ), que participa também do coletivo feminino @pretascervejeiras.

 

Apesar de observar avanços conquistados, o debate não deve ser encerrado por aí. “As cervejarias, assim como todas as empresas, precisam atuar para garantir as mesmas oportunidades a todos. A adoção de um ambiente mais plural, formado por pessoas de diferentes backgrounds é favorável tanto para a empresa, quanto para a sociedade como um todo”, reflete Maria Eduarda.