FecharX

Praça da Liberdade recebe obras do Barroco italiano

Exposição "Barroco Itália Brasil" Prata e Ouro”, na nova sede da Casa Fiat de Cultura



Créditos da imagem: Foto Divulgação
Main foto divulgacao 20140804164529
Imaculada da Conceição do Museu San Genaro
Redação Sou BH
20/01/15 às 17:39
Atualizado em 01/02/19 às 17:57

Por Débora Gomes, jornalista Sou BH

Uma longa viagem tirou, pela primeira vez, 20 esculturas moldadas em prata e ouro da cidade de Nápoles, na Itália. Em terras brasileiras, elas se uniram a mais 20 obras mineiras, na exposição "Barroco Itália Brasil" Prata e Ouro”, na nova sede da Casa Fiat de Cultura (Praça da Liberdade, 10 - Funcionários).

Segundo a curadora italiana Rossella Vodret, “a mostra é um retorno da prata”, que era extraída da América do Sul para confecção das obras, no século XVII. Nessa época, o Barroco começava a aflorar na Itália, vindo, posteriormente, a alcançar a Espanha, Portugal e, logo depois o Brasil. “O Barroco é parte da visão do mineiro. Essa exposição é uma oportunidade do visitante ver onde tudo começou”, afirma o presidente da Casa Fiat de Cultura, José Eduardo de Lima Pereira. 

As igrejas das cidades históricas mineiras refletem bem essa recepção do Barroco por aqui, o que acabou surpreendendo o também curador da exposição, Giorgio Leone. “Tive a sensação de estar em algumas cidades do Sul da Itália”, disse, se referindo à cidade de Ouro Preto.  Nomes como Aleijadinho, Mestre de Piranga e Antônio Pereira da Costa compõem a parte brasileira da mostra. 

Já do lado italiano, as peças, que vieram do Museo del Tesoro di San Gennaro, retratam a evolução e continuidade do Barroco e, segundo Rossella Vodret, foram escolhidas para traçar um panorama completo sobre o período. Podem ser vistas obras de artistas como Lorenzo Vaccaro, Giuseppe Sanmartino e Bartolomeu Granucci. 

Questão de tempo

Segundo Paolo Jorio, diretor do Museo del Tesoro di San Gennaro, além de serem produzidas coletivamente, muitas obras levam muito tempo para ficarem prontas. Como é o caso da Imaculada Conceição: sua produção teve início em 1628 e só foi finalizada em 1719. Com mais de dois metros, a obra é a mais antiga da exposição.

Com entrada franca, a exposição fica em cartaz até o dia 7 de setembro. De terça a sexta-feira, de 10h às 21h. Nos sábados, domingos e feriados, de 14h às 21h.