FecharX

Villa Emporium Armazém Gourmet reinaugurado

Restaurante tradicional da Afonso Pena coloca a mineiridade na decoração e no cardápio



Créditos da imagem: Calebe Bezerra
Main 194521 emporium 1
Blogueiro conferiu de perto a reinauguração da casa
Redação Sou BH
20/01/15 às 18:04
Atualizado em 01/02/19 às 18:01

Por Calebe Bezerra, do Blog Eu Já Comi

Foi reinaugurado na sexta (24), na capital mineira, o Villa Emporium Armazém Gourmet (Av. Afonso Pena, 4034 – Mangabeiras), um espaço tradicional na avenida Afonso Pena. Estive lá para conferir e não me decepcionei: a tradicional comida mineira está a salvo. Por outro lado, há aquilo que gosto de chamar de "orgia gastronômica", que é a mistura de muitos pratos e influências que te obriga a comer além da conta. Não que isso seja ruim!
 
Há várias mini casas dentro desse beco chamado Emporium. A primeira, à esquerda, é um café, e também vende doces e algumas bebidas finas. Depois, três salas auxiliares para servir porções, caldos e o que mais estiver no menu do dia; ao fundo, fica o salão principal, com um forno a lenha magnífico, um bufê de saladas e um grill para carnes. Sobra mineiridade na decoração: namoradeiras, produtos artesanais, tachos de cobre, rendas, fuxicos, poesia.
 
Aceitei o fato de que estava numa orgia gastronômica e resolvi participar ao máximo. Comi um pouquinho de tudo e muito de nada. Para o querido voyeur gastronômico que me lê, listo aqui tudo o que tive a oportunidade de experimentar nessa noite de muito chuchu brotando na horta:

Saladas variadas
Mesa de pães
Mandioca frita e cozida
Bolinho de bacalhau
Leitão à pururuca
Vaca atolada
Frango com ora-pro-nóbis
Caponata
Ceviche
Filé com cogumelos
Paçoca de cebola e carne
Picanha de cordeiro
Picanha de tira (argentina)
Ravióli de ricota com damasco
Ravióli de abóbora com sálvia
   
Os destaques são as picanhas de excelente qualidade e (pasmem!) o filé com cogumelos - inesperado num fogão à lenha, perfeitamente cozido, rústico e saboroso. O ravióli de abóbora com sálvia se repetiu durante a noite no meu prato. Não, eu não tenho vergonha de ter comido quatro vezes a mesma coisa. É que cada vez que eu ia lá, pegava só um ou dois, tipo "nossa, assim não dá, tenho que experimentar um pouco de tudo... então só vou pegar unzinho aqui". Só na última que eu “avacalhei”! Quebrei as correntes da orgia e me dei ao direito de pegar logo quatro raviólis. Li-ber-da-de!

Ou seja: comi de tudo um pouco. Viajei pelos quatro cantos do mundo, sentado numa mesinha de bar. Misturei dezenas de ingredientes e temperos. E o meu estômago de avestruz nem reclamou.

Também destaco que o serviço estava ótimo, atencioso e abundante: os garçons estavam sempre por perto e muito solícitos. Espero que continue assim!

A expectativa era de comer boa comida mineira, e de fato tinha ótima comida mineira lá. Só que tinha muito mais. Então acaba sendo aquele lugar coringa: vá quando estiver com fome e não souber o que comer. Daí ou você faz como eu, e come de tudo, ou acaba se apaixonando por algum prato e deixa a orgia gastronômica de lado.