FecharX

Arte e utilidades se encontram no BAU

Bazar é realizado no CentoeQuatro no domingo (14)



Créditos da imagem: Divulgação
Main santo hype 20140912150312
Estampas divertidas e diferentes nas camisas do Santo Hype
Redação Sou BH
12/09/14 às 13:55
Atualizado em 01/02/19 às 17:40

Unir arte, design, moda, poesia, utilidades e gastronomia em um só espaço é o objetivo do BAU {bazar de artes e utilidades}, que, um domingo por mês, movimenta o CentoeQuatro (Praça Ruy Barbosa, 104 - Centro). O evento, a ser realizado no próximo dia 14, reúne diversos artistas em uma espécie de feira, em que se encontra um pouquinho de tudo: móveis, objetos de decoração, acessórios, bolsas, roupas, cadernos, desenhos e pinturas.

Flora Iscold expõe seus produtos no BAU desde suas primeiras edições. “Ele me abriu uma porta fantástica. Além de ser uma vitrine para o meu trabalho, o BAU é também um lazer e uma oportunidade de troca de experiências”, afirma a artesã. Costureira há mais de 10 anos, Flora possui uma marca que leva seu nome e desenvolve diversos produtos de decoração, utilizando o tecido como matéria prima e algumas técnicas de patchwork. “Tenho almofadas que seguram livros, banquinhos para apoio de pé, porta óculos com aplicações de Frida Kahlo, Woody Allen e por aí vai”, conta.

A inspiração para construir as peças vem de todas as referências que Flora encontra, principalmente na internet e até baseando-se em pedidos feitos por clientes. “Quanto mais você trabalha, mais você desenvolve técnicas para aprimorar o trabalho”, conta a artista, que está desenvolvendo uma almofada para segurar tablets, como a já confeccionada para livros.

Roupas também fazem parte da realidade do BAU e, para compor os estandes com muita cor, o Santo Hype, marca de camisas masculinas, apresenta suas estampas divertidas e diferentes ao evento. “As referências étnicas sejam africanas, astecas, maias, incas, indianas e outras sempre enchem os olhos na hora de garimpar ou produzir estampas”, conta o proprietário da marca Jonatas Aredes. Recentemente, o Santo investiu em estampas geométricas e de bicicletas, por ser um meio de transporte alternativo e sustentável que, segundo Jonatas, tem tudo a ver com a marca.

“Entre nós expositores, o BAU proporciona uma experiência de troca muito agradável, porque todo mundo vende o que produz”, avalia Jonatas. Apesar de vender produtos pela internet, o mineiro acredita que eventos assim são essenciais para cativar novos clientes e mostrar o trabalho, como uma espécie de vitrine. “É muito bom para aqueles clientes que não se sentem à vontade comprando camisas pela internet e preferem experimentar na hora de comprar”, completa.

Ponto de encontro para troca de experiências e exposição de novas ideias, o BAU conta sempre com uma programação paralela à feira, com intervenções poéticas, oficinas e desfiles. Como é o caso do estilista Célio Dias, que aproveita mais uma edição do evento, para desfilar as peças da coleção “Baile das Flores Primavera/Verão 2015”, de sua marca LED. “Eu sempre fui encantado pelo CentoeQuatro desde que cheguei em BH. Logo, quando a LED surgiu, pensamos em atuar primeiro em feiras alternativas e em seguida veio a data da BAU”, conta Célio, feliz com a parceria e com a boa recepção das organizadoras do evento.

Para o desfile da coleção “Baile das Flores”, a LED mostra um universo cheio de estampas, cores fortes e mistura de tecidos, tendo como marca registrada a jovialidade e referências que transitam entre o tradicional e o novo. “A coleção convida todos para se embalar em seu próprio gingado e usar as roupas a seu favor, expressando seu estado de espirito criando imagens autorais e bonitas”, explica Célio.


Comentários